quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

"Então fingirás - aplicadamente,
fingirás acreditar que no próximo ano tudo será diferente,
que as coisas sempre se renovam.
Embora saibas que há perdas realmente irreparáveis e que um braço amputado jamais se reconstituirá sozinho.
Achando graça, pensarás com inveja na largatixa,
regenerando sua própria cauda cortada.
Mas no espelho cru, os teus olhos já não acham graça."






terça-feira, 6 de dezembro de 2011



“Coragem, às vezes, é desapego.
 É parar de se esticar, em vão,
para trazer a linha de volta.
É aceitar doer inteiro até florir de novo."

sábado, 26 de novembro de 2011


"Só nos tornamos adultos quando perdemos o medo de errar.
Não somos apenas a soma das nossas escolhas,
 mas também das nossas renúncias.
 Crescer é tomar decisões e depois conviver em paz com a dúvida. Adolescentes prorrogam suas escolhas porque querem ter certeza absoluta – errar lhes parece a morte.
Adultos sabem que nunca terão certeza absoluta de nada,
e sabem também que só a morte física é definitiva.
Já “morreram” diante de fracassos e frustrações,
e voltaram pra vida.
Ao entender que é normal morrer várias vezes numa única existência, perdemos o medo –
e finalmente crescemos."


"Estou aqui, serei eu mesma, sempre.
Com defeitos, qualidades, riso, choro,
carne, osso e complicações!"


"Todos os dias,
 logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço:
Tomara que as nossas vontades coincidam.
E se não coincidirem,
que a Sua prevaleça..."

sábado, 24 de setembro de 2011

 
Quem nunca teve medo?
Quem nunca ficou assustado?
Mesmo quando não era nada...
...e nada era sempre o mais assustador.
 
 

terça-feira, 20 de setembro de 2011


Quando partiu, levava as mãos no bolso, a cabeça erguida. 
Não olhava para trás, porque olhar para trás era uma maneira de ficar num pedaço qualquer para partir incompleto, 
ficado em meio para trás.
Não olhava, pois, e pois não ficava.
Completo partiu.
"É que hoje eu preciso acreditar um pouco mais. 
Acho uma beleza essa coisa de amanhecer essência. (…)
Hoje vou viver pra esperança, pra coisas bonitas e sorrisos largos. Mesmo que tudo dê pra trás.
Hoje vou andar de mãos dadas com meu anjo da guarda e
prometo me esforçar pra ser boa.
Hoje vou viver na Terra cheia de Céu
(...)

sábado, 30 de julho de 2011


Mas é por esses caminhos que parecem tortos que você 
tem que caminhar, e as coisas vêm ao seu encontro.

Estou cansada.
 Vazia.
Desgastada,
 o coração desgasta de sofrer,
sei disso.


 
"Tinha terminado
então.
Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, 
sempre sabe exatamente quando termina."

quarta-feira, 27 de julho de 2011

“Quis que te esquecesses de mim. 
Eu sei que não foi bem assim,
mas foi assim que o senti violentamente 
quando o telefone deixou de tocar”.


Menino, menino tenho uma enorme ternura por você e para mim é muito difícil isolar essa ternura da razão quando te escrevo 
(…) nós vamos nos ver, nós vamos conversar, sair juntos provavelmente nos tocar e de repente tudo pode realmente ser. 
Ou não.
Mas de jeito nenhum quero, sei lá, ser irresponsável ou não medir as conseqüências dum negócio que pode ser muito sério (…)
Quero muito te amar e me encontrar contigo, 
mas não sei se conseguiremos… tenho medo.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Caio Fernando Abreu

 
Procuro sinais de algum amor teu.
Vestígios de noites passadas.
Tu não me vês, estou incógnita a te observar. 
Como sempre estive, olhando pelas janelas,
de longe, coração apertado. 
Nós poderíamos ser amigos e trocar confidências.
Assistiríamos a filmes, taça de vinho nas mãos, 
e tu me detalharias as tuas paixões e desatinos. 
Nós poderíamos ser amantes que bebem champanhe pela manhã aos beijos num hotel em Paris. 
Caminharíamos pela beira do Sena, e eu te olharia atenta, 
numa tentativa indisfarçável de gravar o momento e guardá-lo comigo até o fim dos meus dias.
Ou poderíamos ser apenas o que somos, duas pessoas com uma ligação estranha, sutilezas e asperezas subentendidas, possibilidades de surpresas boas. Ou não. Difícil saber. 
Bato minhas asas em retirada.
Tu dormes, e nos teus sonhos mais secretos, não posso entrar. Embora queira.
À distância, permaneço te contemplando.
E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa,
nosso encontro pode acontecer inteiro. 
Porque tu és o único que habita a minha solidão.

sábado, 9 de julho de 2011

 
O que tem de ser, tem muita força. 
Ninguém precisa se assustar com a distância,
os afastamentos que acontecem.
Tudo volta! 
E voltam mais bonitas, mais maduras, 
voltam quando tem de voltar, voltam quando é pra ser
Acontece que entre o ainda-não-é-hora e nossa-hora-chegou, 
muita gente se perde.
Não se perca, viu?

sábado, 2 de julho de 2011

 
Todo esse tempo de dor que eu passei andando por aí, todo esse tempo que eu tentei gritar a palavra amor bem alto.
Pra ver se me convencia de uma vez do significado implícito nessas quatro letras. 
Esfregando na cara das pessoas as coisas boas que eu tinha, mas não conseguia mostrar.
Até que o tempo enfim foi me vencendo, sob o olhar condescendente das pessoas que eu mais detestava. 
É duro reconhecer que todo esse sofrimento foi em vão, porque não existe vida quando a gente está triste e só e ninguém quer saber de quem está por baixo.
Não vale a pena sofrer, meu amor, de tudo o que eu passei, 
essa foi a única lição.
 


Hoje decidi que estou prestes a assumir meu coração vazio. 
Não decidi isso movida por uma grande coragem ou por um momento de iluminação. 
Nada grandioso aconteceu.
Apenas sinto que dei um pequeno, quase imperceptível,
passo para uma vida mais madura.
Eu simplesmente não suporto mais pintar o céu de cor-de-rosa para achar que vale a pena sair da cama. 
Não posso mais emprestar mistério ao vazio, 
vida ao oco, esperança ao defunto, saliva ao seco. 
E, finalmente, 
não posso mais inventar amor só para poder falar dele.



 
E será inútil esforçar-se para esquecer - tudo o que um dia se misturou carregará consigo partículas do outro.
Talvez venha o arrependimento, o recomeço, as cores voltem a brilhar como antes - mas não se pode contar com isso.
Não se pode contar com nada. 
O único caminho viável é viver e correr o sagrado risco do acaso. 
E substituir o destino pela probabilidade.
 
 
Há tempos estou vivendo uma estória-de-amor-impossível que rebenta a saúde: sei que não dá pé de jeito nenhum e não consigo me libertar, esquecer. 
A impressão que tenho é que nunca vai passar. 
Que a cicatriz não fecha. 
Que só de esbarrar, sangra. 
Ainda me perco e só reencontro os velhos caminhos. 
Mas não vou. Nunca vou. Nem irei.
 
 
Meu mundo se resume a palavras que me perfuram, a canções que me comovem, a paixões que já nem lembro, 
a perguntas sem respostas, a respostas que não me servem, à constante perseguição do que ainda não sei. 
Meu mundo se resume ao encontro do que é terra e fogo dentro de mim, onde não me enxergo, mas me sinto.
 

quinta-feira, 30 de junho de 2011


Nunca me confrontei com as desilusões porque sou um ser solitário. Afasto-me das pessoas e observo-as de longe; nunca consigo vê-las de muito perto, sem enquadramento.
 Enfrentando a imperfeição aprendi a perdoar.
Olho a raiz das acções,
e concluo que também eu a podia ter cometido
A pior delas".

domingo, 26 de junho de 2011

 
Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama. 
Saudade da pele, do cheiro, dos beijos.
Saudade da presença, e até da ausência consentida.
Você podia ficar na sala e ele no quarto, 
sem se verem, mas sabiam-se lá. 
Você podia ir para o aeroporto e ele para o dentista, 
mas sabiam-se onde.
Você podia ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, 
mas sabiam-se amanhã. 
Mas quando o amor de um acaba, 
ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter. 
Saudade é não saber. 
Não saber mais se ele continua se gripando no inverno. 
Não saber mais se ela continua clareando o cabelo. 
Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. 
Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu.
Não saber se ele tem comido frango de padaria, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na Internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi,
se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua pescando, se ela continua lhe amando.
Saudade é não saber. 
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche. 
Saudade é não querer saber. 
Não querer saber se ele está com outra, se ela está feliz, se ele está mais magro, se ela está mais bela. 
Saudade é nunca mais querer saber de quem se ama,
e ainda assim, doer.
 

sábado, 25 de junho de 2011


“... todo o saber chega demasiado tarde.
Demasiado tarde. 
 São estas as palavras mais tristes de qualquer língua.”

domingo, 12 de junho de 2011

Caio Fernando Abreu



“Trago lágrimas, sorrisos, histórias, abraços… trago momentos felizes, momentos de decepção.
Carrego pessoas, amores e desamores, 
amigos e inimigos, desafetos, paixões… 
Não sou um livro aberto, mas também não tão fechado que você não consiga abrir, basta ter jeito, saber tocar as páginas, uma a uma, e descobrirá de que papel é feito cada uma delas.”


"Feliz Dia dos Namorados"

domingo, 15 de maio de 2011


Tô muito a fim de mim mas vou me ignorar pra não enjoar rápido.

terça-feira, 12 de abril de 2011



E tanto tempo terá passado, depois, que tudo se tornará cotidiano e a minha ausência não terá nenhuma importância.
Serei apenas memória, alívio, enquanto agora sou uma planta carnívora exigindo a cada dia uma gota de sangue para manter-se viva.

O problema é a espera.
Esperamos.
Das pessoas, das coisas, dos fatos, de nós mesmos.


quinta-feira, 7 de abril de 2011


" Infelicidade é questão de prefixo."



Há feridas que não se curam, apenas se esquecem de doer.
Há alegrias que não se completam, mudam de vento."


" Silêncio denso, lispectoriano."

'Uma vida sem sustos.
É o que desejo pra mim.
Não estou dizendo uma vida sem decepções,
frustrações ou êxtases: sem sustos apenas.
Quero aceitar a potência dos meus sentimentos
e não ficar embaraçada diante de reações incomuns.
Poder receber uma ventania de pé,
mesmo que ela me desloque de onde eu estava.
De pé, mesmo com medo.'

sábado, 26 de março de 2011


Preciso de você para dizer eu te amo outra e outra vez.
Como se fosse possível, 
como se fosse verdade,
como se fosse ontem e amanhã.



Eu creio em mim mesmo. 
Creio nos que trabalham comigo, 
creio nos meus amigos e creio na minha família. 
Creio que Deus me emprestará tudo que necessito para triunfar, contanto que eu me esforce para alcançar com meios lícitos e honestos. 
Creio nas orações e nunca fecharei meus olhos para dormir,
sem pedir antes a devida orientação a fim de ser paciente com os outros e tolerante com os que não acreditam no que eu acredito. Creio que o triunfo é resultado de esforço inteligente, 
que não depende da sorte, da magia, de amigos, companheiros duvidosos ou de meu chefe. 
Creio que tirarei da vida exatamente o que nela colocar. 
Serei cauteloso quando tratar os outros, 
como quero que eles sejam comigo. 
Não caluniarei aqueles que não gosto. 
Não diminuirei meu trabalho por ver que os outros o fazem. Prestarei o melhor serviço de que sou capaz, 
porque jurei a mim mesmo triunfar na vida,
e sei que o triunfo é sempre resultado do esforço consciente e eficaz.
Finalmente, perdoarei os que me ofendem, 
porque compreendo que às vezes ofendo os outros e necessito de perdão.

sábado, 19 de março de 2011


"E se eu mudasse meu destino num passe de mágica?"

sábado, 12 de março de 2011


Fim de tarde. 
Dia banal, terça, quarta-feira.
Eu estava me sentindo muito triste.
Você pode dizer que isso tem sido freqüente demais, ou até um pouco (ou muito) chato. 
Mas, que se há de fazer, se eu estava mesmo muito triste? 
Tristeza-garoa, fininha, cortante, persistente, com alguns relâmpagos de catástrofe futura.

quinta-feira, 10 de março de 2011



Estava sendo triste, mas ela parecia acostumada.
Acostumada e fria, porque depois de tantas lágrimas,
ela finalmente parecia ter secado.



E quando escutar um samba-canção, como:
“Eu preciso aprender a ser só”.
 Reagir e ouvir o coração responder:
“Eu preciso aprender a só ser.”


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011


Eu achei que quando passasse o tempo,
eu achei que quando eu finalmente te visse tão livre, 
tão forte e tão indiferente, 
eu achei que quando sentisse o fim, 
eu achei que passaria. 
Não passa nunca
mas quase passa todos os dias.


Não é afastando as pessoas que te amam - 
como eu, por exemplo - 
que você vai se sentir melhor.



Cada contato meu com alguma pessoa representava uma perda enorme de energia vital: eu saía esgotado, confuso, com dor de cabeça e, principalmente, 
com dor por não poder fazer nada pelo desespero alheio.
A minha própria miséria aumentava.
Foi aí que a solidão deixou de ser involuntária para se transformar em escolha. 
E foi bom, está sendo bom.
Passo o dia lendo, ouvindo música,
vendo velhos filmes na televisão,
de vez em quando vou ao cinema ou saio para passear na beira do rio que passa atrás do edifício. 
Fico lá sentado numa pedra,
fumando e pensando nas pessoas que perdi,
senão em afeto,
pelo menos em proximidade física.

 
Jogue tudo fora, 
mas principalmente esvazie seu coração,
fique pronto para a vida,
para um novo amor. 
Lembre-se somos apaixonáveis, 
somos capazes de amar muitas e muitas vezes. 
Afinal de contas,
nós somos o amor.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Eu limpei minhas mensagens,
eu deletei meus emails, 
eu matei meus recados,
eu estrangulei minhas esperas,
eu arregacei as minhas mangas e 
deixei morrer quem estava embaixo delas.
Eu risquei de vez as opções do meu caderninho,
eu espremi a água escura do meu coração e
ele se inchou de ar limpo,
como uma esponja…

" Agora eu tô pronta pra outra"

Boba de amor,
e eu não sei no que você acredita
quando me atrapalho nas palavras
só porque sua presença me intimida

Tenho tanta vontade de viver de novo
fico ansiosa pelo próximo dia, e o próximo
para te ver de novo e reparar seus cabelos crescendo,
tua pele sendo marcada levemente pelos anos
e me apaixono da forma que o tempo passa por você

Eu posso me apegar a outras coisas,
mas você criou um mundo em minha cabeça
e enquanto eu penso qualquer coisa para que te esqueça
o mínimo que me distraio, um deslize só,
posso imaginar sua voz dizendo meu nome
e de repente posso me sentir
a pessoa mais amada no mundo
e não porque eu mereça,
mas porque você me escolheu
no teu amor



"Se for falar mal de mim me chama,
sei coisas terríveis a meu respeito ."

 
Quem quer sair de uma história, cala-se e vai embora.
Porque as grandes dores são mudas.
E decisões definitivas não se demoram em explicações.

João Guimarães Rosa


"A lembrança da vida da gente se guarda em trechos diversos,
cada um com seu signo e sentimento, 
uns com os outros acho que não se misturam. 
Contar seguido, alinhavado, 
só mesmo sendo as coisas de rasa importância. 
Tem horas antigas que ficaram muito mais perto da gente 
do que outras, 
de recente data.
 
 
Mesmo com tristeza, o que é perfeitamente normal, sinto-me bem porque sei que fiz o que pude, falei o que pensei, mudei quando foi preciso (e,olha, minhas mudanças foram ótimas e serão permanentes) e fui sincera sempre, em todos os momentos, em cada conversa, 
em cada mensagem.
Pé na bunda pode até te empurrar pra frente, mas dói, certo? 
CERTO!
E quem disse que a dor não te faz crescer?
 

domingo, 13 de fevereiro de 2011


"Tem paciência com tudo não resolvido em teu coração e tenta amar as perguntas em ti, como se fossem quartos trancados ou livros escritos em idioma estrangeiro.
Não pesquises em busca de respostas que não te podem ser dadas, porque tu não as podes viver, e trata-se de viver tudo.
Vive as grandes perguntas agora. 
Talvez, num dia longínquo, sem o perceberes,
te familiarizes com a resposta."



"Ah, quer saber o que eu penso? 
Você aguentaria conhecer a minha verdade?
Pois tome. 
Prove.
Sinta.
Eu tenho preguiça de quem não comente erros. 
Tenho profundo sono de quem prefere o morno.
Eu gosto do risco.
Dos que arriscam. 
Tenho admiração nata por quem segue o coração. 
Eu acredito nas pessoas livres. 
Liberdade de ser. 
Coragem boa de se mostrar. 
Dar a cara a tapa! 
Ser estranha, louca, chata. 
Eu sou assim. 
Tenho um milhão de defeitos.
Sou volúvel.
Tenho uma tpm horrível. 
Sou viciada em gente.
Adoro ficar sozinha. 
Mas eu vivo para sentir. 
Por isso, eu te peço: me provoque. 
Me desafie. 
Me tire do sério. 
Me tire do tédio.
Vire meu mundo ao avesso!
Mas, pelo amor de Deus, me faça sentir.. 
Um beliscãozinho que for, me dê. 
Eu quero rir até a barriga doer. 
Chorar e ficar com cara de sapo. 
Este é o meu alimento: palavras para uma alma com fome
Meu coração é minha razão
Essa é a lógica que inventei pra mim."

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011


"Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade."



quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011


"A dor da sua partida trouxe toda a dor do mundo
De uma só vez. 
Mas agora já passa da meia noite. 
Não é mais nosso aniversário de fim e, pra te falar a verdade, eu já não sofro mais o nosso fim faz tempo. 
E pra te falar ainda mais a verdade, eu acho mesmo que você foi o príncipe que eu esperei a vida inteira.
Você chegou e me levou embora.
Levou embora a menina que tinha medo de sentir a vida e esperava uma salvação para tudo. 
Quem sobrou é essa desconhecida que se conhece muito bem em suas bizarrices, lê jornais todos os dias, substituiu o bege pela cor do verão, tem uns pais gente boa ainda que malucos, adora os poucos e estranhos amigos, não espera mais pelo cavalo branco mas fica ansiosa pelo início da novela e talvez esteja pronta para amar de verdade.
Amar um homem e não um príncipe."

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Só dê ouvidos a quem te ama

Só dê ouvidos a quem te ama.
 Outras opiniões, se não fundamentadas no amor, podem representar perigo. Tem gente que vive dando palpite na vida dos outros. O faz porque não é capaz de viver bem a sua própria vida. É especialista em receitas mágicas de felicidade, de realização, mas quando precisa fazer a receita dar certo na sua própria história, fracassa.
Tem gente que gosta de fazer a vida alheia a pauta principal de seus assuntos. Tem solução para todos os problemas da humanidade, menos para os seus. Dá conselhos, propõe soluções, articula, multiplica, subtrai, faz de tudo para que o outro faça o que ele quer.
Só dê ouvidos a quem te ama, repito. Cuidado com as acusações de quem não te conhece. Não coloque sua atenção em frases que te acusam injustamente. Há muitos que vão feridos pela vida porque não souberam esquecer os insultos maldosos. Prenderam a atenção nas palavras agressivas e acreditaram no conteúdo mentiroso delas.
Há muitos que carregam o fardo permanente da irrealização porque não se tornaram capazes de esquecer a palavra maldita, o insulto agressor. Por isso repito: só dê ouvidos a quem te ama. Não se ocupe demais com as opiniões de pessoas estranhas. Só a cumplicidade e conhecimento mútuo pode autorizar alguém a dizer alguma coisa a respeito do outro.
Ando pensando no poder das palavras. Há palavras que bendizem, outras que maldizem. Descubro cada vez mais que Jesus era especialista em palavras benditas. Quero ser também. Além de bendizer com a palavra, Ele também era capaz de fazer esquecer a palavra que amaldiçoou. Evangelizar consiste em fazer o outro esquecer o que nele não presta, e que a palavra maldita insiste em lembrar.
Quero viver para fazer esquecer...
Queira também.
Nem sempre eu consigo, mas eu não desisto. Não desista também. Há mais beleza em construir que destruir.
Repito: só dê ouvidos a quem te ama. Tudo mais é palavra perdida, sem alvo e sem motivo santo.
Só mais uma coisa. Não te preocupes tanto com o que acham de ti. Quem geralmente acha não achou nem sabe ver a beleza dos avessos que nem sempre tu revelas.
O que te salva não é o que os outros andam achando, mas é o que Deus sabe a teu respeito.

sábado, 22 de janeiro de 2011


Não se preocupe,
não vou tomar nenhuma medida drástica,
a não ser continuar
tem coisa mais destrutiva que insistir sem fé nenhuma? 
Ah, passa devagar a tua mão na minha cabeça,
toca meu coração com teus dedos frios, 
eu tive tanto amor um dia.


Que eu não perca a capacidade de amar,
de ver, de sentir.
Que eu continue alerta.
Que, se necessário, 
eu possa ter novamente o impulso do vôo no momento exato.
Que eu não me perca, 
que eu não me fira, 
que não me firam, 
que eu não fira ninguém.
Livra-me dos poços e dos becos de mim, 
Senhor.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011



Uma vontade de chegar perto,
de só chegar perto,
 te olhar sem dizer nada,
talvez recitar livros, quem sabe só olhar estrelas…
dizer que te considero –
pode ser por mais um mês,
por mais um ano,
ou quem sabe por uma vida –
e que hoje, só por hoje ou a partir de hoje
(de ontem, de sempre e de nunca),
é sincero.